quarta-feira, 19 de julho de 2017

O Apito morreu!



Já sei que o FCPorto jogou e até acabei agora mesmo de ver o jogo em diferido. Tinha decidido que iria fazer uma crónica conjunta dos 3 primeiros jogos de preparação televisionados, para dar mais alguma consistência às opiniões e às primeiras impressões sobre o futebol deste FCPorto de Sérgio Conceição. Esta estratégia também me iria dar umas mini-férias das crónicas aqui no blog, mas tive de interromper.

Já devem ser poucos os que nos seguem desde essa altura, mas o blog foi criado em 2006 e, logo nos seus primeiros anos, fomos confrontados com o maior ataque alguma vez feito ao clube. E fomos comentando à medida que os ataques se iam sucedendo. Nessa altura o FCPorto de Jesualdo Ferreira era avassalador por cá, e o adversário decidiu que «teria de fazer as coisas por outro lado». Tem aspas porque é uma citação de uma das escutas do processo. Apenas uma das tais que foram ignoradas. Ora o «por outro lado» teve muito mais vertentes do que o que seria de esperar. Tivemos o lado judicial com a inquinação do processo para o impedir de chegar a Lisboa. Tivemos o disciplinar através de um lacaio colocado no Conselho de Disciplina da Liga. Tivemos também o lado federativo com o golpe palaciano na reunião do Conselho de Justiça da Federação. Tivemos o lado literário com um livro fabricado e reescrito para incluir informação do processo e para que se reabrisse na justiça desportiva um processo morto pela justiça civil. Mais tarde, foi o mesmo livro que serviu como pretexto para a formação de uma 'task force' nomeada pelo Procurador Geral da República, para reabrir todos os processos anteriormente arquivados. Por fim, tivemos o lado cinematográfico com o filme sobre o livro, realizado pelo marido da autora não oficial do livro.

Simplificando, o processo inicial contra o FCPorto morre nos tribunais, mas parte do processo vem para os jornais. Essas fugas de informação são transformadas em memórias de uma ex-mulher de Pinto da Costa e incluídas num livro que serve posteriormente como prova adicional no processo na justiça desportiva, e para reabrir o processo no justiça civil. Mais 'Kafkiano' era difícil... A verdade é que tudo isto foi-se desmoronando até que morreu definitivamente na sexta-feira passada. Mas não escapamos ilesos e as revelações recentes do nosso Director de Comunicação são a prova de que o crime acabou por compensar. Mas foi «por outro lado»...

O denominado 'Apito Final' não era o fim da linha. Quem orquestrou isto foi derrotado em toda a linha. Mas o Apito não acabou. Há que denunciar e responsabilizar os artistas que se dispuseram a participar nisto. Esta gente entrou em conluio numa gigantesca vigarice, foi derrotada e têm nome:
- Luís Filipe Vieira, BTV e Rui Gomes da Silva;
- Ricardo Costa e Hermínio Loureiro;
- Francisco Mendes da Silva, Álvaro Batista, Eduardo Santos Pereira, João Abreu e José Pereira dos Reis - os 5 vogais do Conselho de Justiça da Federação que decidiram à revelia de Presidente e Vice Presidente desse órgão.
- Freitas do Amaral que passou um parecer 'encomendado' a validar o golpe palaciano no Conselho de Justiça;
- Pinto Monteiro, Maria José Morgado e a 'super equipa' de investigação que perdeu processo atrás de processo;
- o Realizador João Botelho e o seu ex-marido Leonor Pinhão.

O apito morreu! Venham as consequências para os obreiros desta vergonha!

E, já agora, comecem a corrigir as classificações da época de 2007/2008. Por exemplo, como podem ver na imagem, o jornal O Jogo ainda não o fez.

Sem comentários: