segunda-feira, 31 de julho de 2017

Primeiras impressões


Após quatro jogos televisionados e um jogo ao vivo, já podemos dizer que temos uma ideia do que mudou neste FCPorto de Sérgio Conceição. 

Começando pelo mais óbvio, mudaram apenas dois titulares. Mas se a troca de Maxi por Ricardo parece uma mera e natural sucessão, a entrada de Aboubakar no onze é uma representação perfeita da ruptura com o passado recente, que Sérgio Conceição está a implementar. Todos recordarão a dificuldade que NES teve em conciliar a utilização de dois pontas-de-lança, com o seu estilo de jogo mais conservador. Ao contrário do seu antecessor, Sérgio percebeu que já tinha uma linha defensiva com qualidade suficiente para implementar um sistema mais ousado e que garanta mais gente na área e mais poder de fogo. Nuno também a tinha e até foi ele que a desenvolveu na temporada passada. O problema é que não conseguiu transformar a solidez defensiva, numa base de sustentação para uma equipa cada vez mais atacante. Aqui esteve um dos maiores erros de Nuno. Temos portanto mais gente na frente, algo que parece bastante natural dado que teremos as despesas do jogo, perante equipas fechadas em redor da sua área, em 90% dos jogos.

Ora com a entrada de Aboubakar, sai um médio. Sobrarão responsabilidades acrescidas para Danilo e sobretudo para Oliver. Danilo ainda não está completamente adaptado e André André tem estado melhor nessa posição. Mas nota-se que é apenas uma questão de ritmo de jogo, visto que tem de percorrer uma zona de acção maior, tendo começado mais tarde. Ainda hoje, Danilo teve uma excelente abertura para o segundo golo e uma péssima abertura para a jogada mais perigosa do Deportivo no jogo. Já Oliver, parece estar a adaptar-se na perfeição, tendo sido um dos grandes destaques da pré-temporada. Exige-se aos médios, amplitude de movimentos, muito pulmão e muita agressividade no ataque à segunda bola e na reacção à perda da bola. Dá a ideia de que os médios estão a responder bem. Até o Herrera e o Sérgio Oliveira saem beneficiados.

Por último, uma alteração que se nota bem é o posicionamento dos laterais e dos extremos. Aqui dá a ideia que Sérgio tem dois planos. Um mais conservador em que um dos extremos é Ricardo Pereira, garantindo mais solidez  e mais segurança na transição defensiva e mais foco nos cruzamentos para a área. A outra, mais utilizada, é a versão com Corona e Brahimi (ou Otávio). Aqui a movimentação é simples. Com o campo em perspectiva vertical, tentem dividir o campo em cinco. A faixa central é para os avançados e para os médios. As faixas laterais estão reservadas aos laterais, que fazem o corredor todo e que procuram posicionar-se e receber já no último terço do terreno. Já os extremos, procuram fazer movimentos em direcção a zonas interiores e tentam receber nas faixas intermédias para rodar , organizar e colocar na ala ou nos avançados em constante movimento. É a vantagem de ter extremos com estas características.

Quanto ao 'reverso da medalha' temos transições defensivas mais... Vamos dizer excitantes. Preparem-se para  muitas situações em que o adversário avançará para a nossa área em igualdade ou mesmo superioridade numérica. E isso não acontece só nos contra-ataques. Dado o posicionamento muito adiantado de Oliver e Danilo na pressão à saída de bola do adversário, não tem sido invulgar que a bola entre nas costas dessa pressão, ficando o adversário com muitos metros para correr. Nota-se aqui algum risco que, para já, está a compensar largamente e que acredito que, na maior parte dos jogos, vai compensar.

'Grosso modo' são estas as alterações mais significativas e parece que estão a funcionar. De resto, deixarei apenas pequenas notas:
- Falta esclarecer o papel de Indi e Reyes no plantel. Eu diria que ficará um deles mas, se vendermos o outro, faltará um defesa no plantel;
- Falta esclarecer também o papel de Maxi e Layun. O primeiro é demasiado caro para ser suplente e o segundo tarda em ser colocado, com o seu rendimento a piorar a cada jogo. Entretanto eles vão jogando e a retaguarda de juventude portista, Rafa e Dalot, continua no banco. Dava-lhes jeito os minutos nesta pré-época;
- Naturalmente, Rui Pedro e Marega seriam o plano B do esquema de dois avançados, mas apenas vi jogar um deles e com Otávio nas costas;
- Temos uma quantidade invulgar de jogadores em fim de contrato e apenas ouvi falar de tentativas de renovação com dois;

Para concluir, tenho ouvido várias vezes que ainda não defrontámos grandes adversários e que isso tende a desvalorizar os bons resultados obtidos até agora, nomeadamente na imprensa e no comentário desportivo. Já sabemos as habituais intenções dessa imprensa, mas também tenho ouvido portistas a dizê-lo. É como a história dos reforços. De certeza que já ouviram os vossos amigos ou colegas de clubes adversários a tentarem picar-vos com a nossa 'falta de dinheiro' para contratar. A imprensa também foi insistindo bastante nessa 'tecla'. Em duas semanas a crítica e o motivo de gozo passaram a ser um elogio. Pois eu acho que esse aspecto do planeamento da pré-temporada foi bom e que também se transformará em motivo para elogio. Pelo caminho defrontamos já três adversários de primeira liga, que é o nosso objectivo principal, ganhamos e conseguimos dar à equipa um capital de confiança que vai ser importante nos primeiros jogos do campeonato.

Venha daí o campeonato! A propósito, que dia esquisito para começar...

quarta-feira, 19 de julho de 2017

O Apito morreu!



Já sei que o FCPorto jogou e até acabei agora mesmo de ver o jogo em diferido. Tinha decidido que iria fazer uma crónica conjunta dos 3 primeiros jogos de preparação televisionados, para dar mais alguma consistência às opiniões e às primeiras impressões sobre o futebol deste FCPorto de Sérgio Conceição. Esta estratégia também me iria dar umas mini-férias das crónicas aqui no blog, mas tive de interromper.

Já devem ser poucos os que nos seguem desde essa altura, mas o blog foi criado em 2006 e, logo nos seus primeiros anos, fomos confrontados com o maior ataque alguma vez feito ao clube. E fomos comentando à medida que os ataques se iam sucedendo. Nessa altura o FCPorto de Jesualdo Ferreira era avassalador por cá, e o adversário decidiu que «teria de fazer as coisas por outro lado». Tem aspas porque é uma citação de uma das escutas do processo. Apenas uma das tais que foram ignoradas. Ora o «por outro lado» teve muito mais vertentes do que o que seria de esperar. Tivemos o lado judicial com a inquinação do processo para o impedir de chegar a Lisboa. Tivemos o disciplinar através de um lacaio colocado no Conselho de Disciplina da Liga. Tivemos também o lado federativo com o golpe palaciano na reunião do Conselho de Justiça da Federação. Tivemos o lado literário com um livro fabricado e reescrito para incluir informação do processo e para que se reabrisse na justiça desportiva um processo morto pela justiça civil. Mais tarde, foi o mesmo livro que serviu como pretexto para a formação de uma 'task force' nomeada pelo Procurador Geral da República, para reabrir todos os processos anteriormente arquivados. Por fim, tivemos o lado cinematográfico com o filme sobre o livro, realizado pelo marido da autora não oficial do livro.

Simplificando, o processo inicial contra o FCPorto morre nos tribunais, mas parte do processo vem para os jornais. Essas fugas de informação são transformadas em memórias de uma ex-mulher de Pinto da Costa e incluídas num livro que serve posteriormente como prova adicional no processo na justiça desportiva, e para reabrir o processo no justiça civil. Mais 'Kafkiano' era difícil... A verdade é que tudo isto foi-se desmoronando até que morreu definitivamente na sexta-feira passada. Mas não escapamos ilesos e as revelações recentes do nosso Director de Comunicação são a prova de que o crime acabou por compensar. Mas foi «por outro lado»...

O denominado 'Apito Final' não era o fim da linha. Quem orquestrou isto foi derrotado em toda a linha. Mas o Apito não acabou. Há que denunciar e responsabilizar os artistas que se dispuseram a participar nisto. Esta gente entrou em conluio numa gigantesca vigarice, foi derrotada e têm nome:
- Luís Filipe Vieira, BTV e Rui Gomes da Silva;
- Ricardo Costa e Hermínio Loureiro;
- Francisco Mendes da Silva, Álvaro Batista, Eduardo Santos Pereira, João Abreu e José Pereira dos Reis - os 5 vogais do Conselho de Justiça da Federação que decidiram à revelia de Presidente e Vice Presidente desse órgão.
- Freitas do Amaral que passou um parecer 'encomendado' a validar o golpe palaciano no Conselho de Justiça;
- Pinto Monteiro, Maria José Morgado e a 'super equipa' de investigação que perdeu processo atrás de processo;
- o Realizador João Botelho e o seu ex-marido Leonor Pinhão.

O apito morreu! Venham as consequências para os obreiros desta vergonha!

E, já agora, comecem a corrigir as classificações da época de 2007/2008. Por exemplo, como podem ver na imagem, o jornal O Jogo ainda não o fez.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Ruben Neves



Quando há negócios como este do Ruben Neves sobressaem logo duas correntes antagónicas entre os adeptos, ambas irritantes. A primeira são os puristas: «O FCPorto tem de ser feito de portistas», «isto é um escândalo», «ninguém se demite na SAD», «o presidente já não está bom da cabeça e os abutres tomaram conta do clube», «o Jorge Mendes está-nos a dar cabo do clube». etc. Depois temos os pragmatistas: «o FCPorto sempre foi um clube vendedor», «a situação financeira do clube exigia vendas até 30 de Junho», «o Ruben nem sequer era titular e o importante é manter o Danilo», «que interessa ser o Wolverhampton, se o jogador foi, é porque quis ir», etc..

Eu, que normalmente estou mais próximo dos pragmatistas, desta vez estou mais próximo do lado oposto. Esta não é uma venda normal. Quando o FCPorto aposta num jogador como ativo para fazer render, a venda tem sempre duas características: valores avultados e o momento da venda é definido por nós. Mesmo quando não há tubarões disponíveis, há sempre um Dinamo de Moscovo ou um Zenit. 

Vamos directos ao assunto: esta venda de Ruben Neves é assustadora, porque nos confronta com uma realidade do FCPorto que muitos de nós insistem em ignorar ou negligenciar. Estamos a vender um jogador que não queríamos vender neste momento, por um valor abaixo do normal para este perfil de jogador e para o habitual em jogadores vendidos pelo FCPorto, para um clube 'barriga de aluguer' controlado por um empresário que vai tentar, tão cedo quanto possível, fazer com Ruben Neves a mais-valia que deveria ser o FCPorto a fazer.

Hoje em dia temos de nos habituar a um FCPorto tão sôfrego para chegar às vitórias, que não tem tempo nem engenho para fazer uma gestão a médio prazo e para sequer valorizar e tratar bem os seus melhores activos. Vejo alguns portistas chocados com o valor da transferência, mas vejo o mundo inteiro que segue o futebol jovem, chocado com o destino deste que é dos maiores talentos portugueses dos últimos anos. Mais um sintoma do absurdo do negócio.

Quem me lê habitualmente poderá argumentar que escrevo isto porque o Ruben era o meu jogador preferido do FCPorto. É verdade que isso tem influência, mas estaria igualmente assustado se fosse o Danilo a ser vendido, nesta altura, por estes valores e para este clube.

Foi-se o mais jovem capitão do FCPorto o mais jovem a marcar com a nossa camisola, um portista verdadeiro, que foi obrigado a ir jogar para a segunda liga inglesa para o clube 'barriga de aluguer' de um empresário. Logo o Jorge Mendes...

Boa sorte Ruben! Espero mesmo que um dia regresses.

PS: Este post está escrito há mais de uma semana há espera do anúncio e do valor da transferência. Decidi não esperar mais.