terça-feira, 20 de junho de 2017

O caso do André Silva


Poderá ter passado despercebido, mas André Silva é a venda mais cara de sempre de um 'produto' da nossa formação. Os valores ultrapassam os de Ricardo Carvalho e os de Bruno Alves. Mas convem dizer que estes jogadores saíram mais tarde: André sai aos 21, Ricardo Carvalho aos 26 e Bruno Alves aos 28. Se fizermos exercícios de mais valias, este será certamente um dos melhores negócios da história do clube. Só me lembro de um claramente melhor e foi o de James Rodriguez, que saiu inflacionado para lixar o Sporting.

Isto é importante, dado o apuro financeiro em que vivemos. Estaremos perante uma mudança de paradigma? 

Desenganem-se os que pensam que este é um daqueles artigos românticos a pedir para que se metam os míudos e a defender uma 'sportinguização'. Não é. Estou a tentar perceber uma tendência de mercado. Eis a minha teoria: se ganhamos, é fácil vender os jogadores que queremos vender. Se não ganhamos só há mercado para o refugo e para os produtos das camadas jovens. Ou seja, em altura de aperto, quem nos salva é um produto da formação. André Silva valorizou-se mais num ano e um terço de Equipa A do que Corona em dois, que Brahimi em três e que Herrera em quatro. O nosso modelo de negócio sempre foi o de comprar Coronas baratos e vender caros, dois ou três anos mais tarde. Mas a verdade é que já não o conseguimos. Temos Danilo, Herrera e Brahimi na montra e ninguém lhes pega pelos valores pedidos. Porquê? Porque hoje em dia, para os 'tubarões', é preferível pagar caro por um miúdo. Dá ideia que fecham os olhos quando o jogador tem menos de 21 anos. Vejam os casos recentes do futebol português como o André Silva, o Renato Sanches, o Gonçalo Guedes, o João Mário, etc. O próprio Ruben Neves, a jogar pouco, é dos ativos mais valiosos do plantel e não deve haver reunião em que se tente vender o Danilo, em que não perguntem pelo Ruben... E também devem perguntar pelo Rui Pedro e pelo Dalot... Outro exemplo é o de Moreto e de Idrisa. Segundo o que tem constado nos jornais, só nestes dois sub19, fez-se pouco mais do que 4 milhões de euros. Haverá algum clube disposto a dar 4 milhões por um Depoitres ou por um Adrian Lopez? E estamos a falar de jogadores que nunca jogaram na equipa principal, apesar de Moreto ser capitão dos juniores. Bastaram os jogos na youth league e pelas selecções jovens.

Chegamos portanto à minha conclusão. Neste momento do mercado mundial, 'meter os miúdos' compensa. Espero que a malta perceba isso e que se volte a pensar a formação em condições. É que os miúdos não aparecem do nada. Quem está atento à formação, percebe que a última fornada que trabalhou com o famoso treinador holandês, que perdemos para o Liverpool, está a acabar. Os resultados deste ano e do ano passado dos sub15 são absolutamente assustadores, quer em convocatórias para as selecções nacionais, quer em resultados desportivos. Há que fazer algo e rápido, porque o nosso futuro tem de passar por aí.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Época 2016/17 - Acabaram os bons rapazes?


Para fechar esta série de artigos, deixámos o melhor para o fim. Este foi um primeiro ano de mandato especialmente mau, para Pinto da Costa e para o FCPorto. Os títulos foram anormalmente poucos, nas várias as modalidades. Esta semana tivemos de levar com mais uma deprimente declaração de Fernando Gomes. É bom saber que ele só fala de ano a ano porque é assustador, sobretudo para portistas que se dão ao trabalho de ler as contas e que conseguem interpretá-las. Ainda bem que só falou após os resultados da oferta, porque este discurso de culpabilização dos treinadores não dá segurança a nenhum investidor. Para ajudar, no dia seguinte saiu a confirmação do que já todos sabíamos sobre o consulado Fernando Gomes na condução financeira do clube: o clube está numa situação financeira descontrolada, pelo menos de acordo com os parâmetros da UEFA. Já parece longínquo mas Antero zarpou no início da época tendo sido substituído pelo Eng. Luís Gonçalves, que me parece ter um perfil bastante diferente. E aqui chegámos ao meu ponto. Apesar de todas as contrariedades directivas e desportivas, há uma atitude diferente perante o estado de coisas no futebol português. Há quem diga que isto tem a ver com a entrada de Luís Gonçalves, mas também há quem me garanta que o homem é um desastre, que não consegue ter foco e que dispara para todos os lados ao mesmo tempo. Sendo assim, vou concentrar o mérito desta ruptura com a 'postura de bons rapazes' em Francisco J. Marques.

O director de comunicação do FCPorto começou por mudar o discurso através da newsletter que criou. Chegámos a apresentar aqui queixas de que não chegava e que se tinha de ir mais longe. Ora, este ano, marcou o fim da postura de 'bons rapazes', pelo menos ao nível da comunicação. Isto começou por funcionar junto dos adeptos mas, muito recentemente passou a acossar os órgãos de comunicação benfiquistas. Querem melhor exemplo de que estão a 'acusar o toque' do que a capa de hoje do jornal A Bola? Foram buscar o Calheiros!!! Ainda agora começou e já estão desesperados? Que se segue? Vão dar mais uns trocos ao Jacinto Paixão ele ler um depoimento, como fizeram na última vez?

Mas o mais escandaloso é que só agora a generalidade da comunicação social ter divulgado amplamente os factos relatados pelo Francisco J. Marques. Ele já tinha divulgado e-mails entre administradores do Benfica a tratar de bilhetes para o presidente da Associação do Árbitros. Já tinha divulgado documentos que comprovavam inequivocamente o apoio a claques ilegais, em 3 momentos diferentes, sempre com documentação nova e antes mesmo do assassinato deste ano, por elementos dessa mesma claque. Desmascarou a presença de Luís Filipe Vieira nas várias listagens de credores de bancos intervencionados, factura a pagar por todos, incluindo portistas, benfiquistas e sportinguistas. Deu até um exemplo de um investimento imobiliário fantasma que foi o destino de um avultado financiamento pela Caixa Geral de Depósitos e que está parado há mais de 3 anos. Semanalmente, foi dando amplitude às queixas dos portistas sobre o escândalo arbitral que se viveu este ano. Mas a primeira vez que 'bateu' foi com a cartilha. Foi ele que divulgou que há jornalistas, ex-jornalistas, professores universitários, deputados e ex-ministros, que se dispõem a um humilhante papel de 'correia de distribuição' da 'voz do dono'. Provou o espírito acrítico com casos concretos e desmascarou os supostos independentes Carlos Janela, Rui Pedro Braz, e que os que chegaram a clamar serem independentes como o Gobern. Foi ou não foi delicioso ver o Gobern a invocar a 5ª emenda em relação à cartilha? Para quem não sabe o que significa, este é um direito básico, que existe no sistema judicial americano, e que dá o direito ao réu e às testemunhas de permanecer em silêncio e evitar assim a auto-incriminação. O homem tinha receio de se auto-incriminar? Sublime! Ora, tentemos entrar na cabeça dos dirigentes benfiquistas e do seu séquito de 'jornalistas': se Francisco J. Marques consegue aceder a um ano inteiro de cartilha e aos destinatários, o que é que ele não andará a guardar? A resposta chegou na terça-feira passada e deverá continuar nas próximas.

Terminemos com uma sempre pertinente citação do grande Pedroto: «Enquanto fomos bons rapazes, fomos sempre comidos!». 

PS: Pode parecer um pormenor mas, para quem anda a aturar a fruta, o café com leite e o calor da noite há anos, a linguagem destes e-mails é poética! Padres, missas, ordenações e primeiro ministro... Muito bom!

PPS: Hoje o Guerra nem arriscou dizer que é mentira. Deu uma amnésia selectiva ao homem dos papeis... Bom de mais!

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Época 2016/17 - A lista de Vendas


Esta última lista vai ser mais um exercício de 'wishfull thinking'. Um misto de jogadores que me desiludem e jogadores demasiado caros para o seu rendimento. Aqui fica então a minha lista de vendas por ordem crescente em termos de prioridade:
5º - Felipe
4º - Danilo
3º - Casillas
2º - Maxi
1º - Herrera
 
A primeira opção é polémica por se tratar de um jogador que chegou há um ano. Como acho que esta época Felipe se valorizou acima do seu real valor e dado o facto de ele ter já 28 anos, esta pode ser a última oportunidade para fazer dinheiro com este ativo. É igualmente uma baixa no nosso onze que poderá ser mais simples de suprir.

Já Danilo é um caso diferente. É um jogador que não me transmite qualquer desconfiança, que tem qualidades óbvias e que tem muito mercado. Seria uma boa possibilidade de fazer uma venda por valores elevados e que ajude a cumprir a irreal meta orçada. Além disso, prefiro vender um jogador de 25 anos que já deu boas épocas ao clube, do que um jogador de 20 anos que, por muito que tenha mercado, ainda não deu o que tinha a dar ao clube. Estou a falar de Ruben Neves, como é óbvio...

Por falar em casos diferentes, Casillas. É um jogador que merece ficar no plantel, que é necessário, mas que tem um salário proibitivo para qualquer clube português. É de lembrar que, até agora, pagávamos apenas um terço do seu vencimento. Pensar sequer em aumentar o encargo que temos com este jogador, na situação financeira que acumulámos, seria uma decisão de gestão incompreensível. Foi uma boa oportunidade e foi pena não a termos aproveitado melhor, com títulos.

O salário é também o factor principal para que defenda que Maxi deve ser vendido. Todos conhecemos a maneira entusiasmante de jogar deste jogador. Aos 32 anos, a tendência é para que a intensidade baixe naturalmente. Já o senti esta época. Trata-se igualmente de uma posição em que temos a perspectiva de preencher com um jogador mais jovem, mais barato e melhor, que é o Ricardo Pereira. Há ainda as promessas Fernando Fonseca e Diogo Dalot que poderão ser lançadas já na próxima temporada.

Herrera já deveria ter sido vendido no defeso passado. É um 'patinho feio' para os adeptos e parece que também o é para o mercado.  Parece que ninguém pretende dar pelo jogador o que pretendemos e que imagino que esteja bem acima do ele vale. Nem mesmo o mercado chinês. Por isso não adianta pô-lo a jogar nos últimos jogos da temporada para enganar os compradores. Mais vale fazer um encaixe mais modesto enquanto é possível colocá-lo, visto que a tendência tem sido sempre de desvalorização.

Menção pouco honrosa para Depoitres. Será muito difícil recuperar o investimento feito. Agora é tentar não perder mais ainda. Adrian Lopez é outro jogador em que isso é claro, e nem é bom lembrar que esse problema existe.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Época 2016/17 - Perplexidades


Já passámos pelos destaques positivos e negativos e até tentámos avaliar o rendimento dos jogadores emprestados. Há no entanto, no plantel do FCPorto, alguns jogadores cujo rendimento me causa dúvidas por causa do potencial que eu, bem ou mal, lhes atribuí. Nestes casos, o rendimento e o potencial têm andado em rotas diferentes quando, a médio prazo, deveriam convergir. Mais uma vez, eis as minhas maiores perplexidades por ordem crescente em termos de classificação e de grau:
5º - Ruben Neves e Oliver 
4º - Alex Telles
3º - Soares
2º - Felipe
1º - Corona
 
Comecemos então por dois casos que para mim são semelhantes. Para mim, uma equipa do FCPorto que tem estes dois jogadores no plantel, facilita muito a tarefa do treinador porque tem duas opções decididas à partida. Ainda por cima, no meio campo. São jogadores com tamanha qualidade e potencial que, na minha opinião, deveriam ser indiscutíveis. E porque é que não são? O meu instinto é dizer que temos tido treinadores fraquinhos, mas não pode ser só isso. Dou por mim a pensar que, se eles fosse assim tão bons, eram indiscutíveis mesmo com o José Mota. Apesar da minha perplexidade, o que posso desejar é que haja uma boa proposta pelo Danilo e pelo Herrera... O próprio Presidente anunciou que isso já chegou a acontecer... Mais a sério, espero que este seja o ano em que os dois 'pegam de estaca' e vão ver que o nosso futebol vai melhorar e muito.

De seguida temos Alex Telles. Foi talvez o jogador que mais cedo demonstrou que seria reforço. Foi tendo um percurso com muito poucos erros, até ao momento em que passou a acusar a pressão. O episódio com a Juventus foi o mais grave, mas notou-se uma quebra emocional e de confiança deste jogador. Que Alex teremos no futuro? O que é capaz de meter um Gelson no bolso ou o que consegue ser expulso, em menos de 5 minutos, por acumulação de amarelos?

Soares teve um percurso entusiasmante no FCPorto. Entrou a marcar muitos golos e a revolucionar uma aflitiva falta de eficácia que a equipa vinha demonstrando. Mas Soares já joga em Portugal há uns anos e parecia impossível ele, de repente, ser assim tão bom. E era mesmo impossível! Rapidamente golos que marcava com o ombro e com a canela passaram não ir para a baliza, como é natural. Rapidamente o espírito combativo passou a dar lugar às faltas desnecessárias. Um avançado com aquele ritmo de concretização não joga muito tempo por estas paragens e este é um processo normal em qualquer avançado, sobretudo num avançado de uma equipa que tarda em regressar aos títulos. Chegamos assim à minha perplexidade. É para mim claro que o Soares foi uma excelente contratação de inverno. No entanto, para mim o talento é o André Silva. Esse é o titular indiscutível. Soares é uma alternativa que, a tempos, poderá ser o titular, mas nunca um titular indiscutível num plantel que também tem o André.
 
Felipe é um caso especial. O seu rendimento ao longo da época foi para mim uma surpresa enorme. Era capaz de apostar que Felipe iria ter muitas exibições desastrosas como a que teve em Moreira de Cónegos. Isto porque me parece um jogador descontrolado. Demasiado impulsivo e inexperiente para a idade que tem. A verdade é que isso não aconteceu e Felipe teve apenas uma exibição claramente má ao longo da temporada. Isto apesar do penalti na Luz do amarelo no primeiro minuto em Braga e da escorregadela frente ao Vitória de Setúbal. As exibições de Felipe foram consistentemente boas e com erros pontuais como acontece com todos os centrais. A minha perplexidade é perceber se eu estava errado e se Felipe é mesmo muito melhor do que o que parecia. Aparentemente é, mas sou teimoso e continuo a olhar para ele com uma desconfiança, talvez injusta.

Por último, temos Corona. É um jogador desconcertante. Um talento puro, que em certos ponto até parece superior ao de Brahimi. Mas continua a tardar o momento em que Corona se firma como um indiscutível talento. Tem pés, tem velocidade, mas não tem o 'mindset' necessário. Aquela fúria de vencer que vemos, por exemplo, no André Silva e no Maxi. O problema é que dizemos isto há dois anos. Quando é que ele vai deixar de jogar para o FCCorona? Será que vale a pena esperar ou vamos ter de aturar estas épocas de 'fogachos' e de talento por cumprir?

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Época 2016/17 - Rendimento dos emprestados



Continuamos o nosso exercício de auxílio ao nosso novo treinador, Sérgio Conceição. Quanto aos emprestados, poderíamos fazer duas ou mais listas: os melhores, as desilusões, os gajos que já nem nos lembramos que são nossos, etc.. Será melhor cingirmo-nos aos destaques pela positiva... É de referir que as posições 4 e 5 resultam do facto de os jogadores se terem tornado activos mais vendáveis, enquanto que os restantes ainda poderão e deverão ser melhor aproveitados. Eis os melhores  emprestados da época por ordem crescente em termos de classificação:
5º - Quintero, Martins Indi e Aboubakar
4º - Marega
3º - Diego Reyes
2º - Rafa Soares
1º - Ricardo Pereira

Finalmente Quintero conseguiu voltar a destacar-se. Para isso teve de voltar a casa e a um futebol sem meio campo, como o sul americano. Mas a vantagem é que fez boas exibições na Libertadores, algo que pode fazer com que se valorize e que permita uma venda ou uma colocação num clube melhor, para a valorização deste ativo que já estava em decadência. Martins Indi e Aboubakar foram considerados jogadores para vender. A boa notícia é que ambos fizeram o suficiente para que fossem accionadas as opções ou para que fosse suscitado interesse de outros clubes. Era isso que esperávamos deles visto que, em ambos os casos, o regresso estava descartado à partida.
Vamos a Marega. É daqueles empréstimos que corre bem e é até perigoso. Passo a explicar. O estilo de futebol de Marega, dificilmente poderá adequar-se ao de uma equipa do FCPorto. Ora o seu bom rendimento poderá criar ilusões e uma eventual tentação de o chamar à pré-época. Na minha opinião, este é um jogador para vender já, e enquanto é tempo. Hernani é outro caso semelhante.

Vamos a Diego Reyes. Já sei... Enquanto cá esteve, Reyes foi um terror. Mas vamos tentar esquecer isso e olhar para o rendimento. Fez duas épocas seguidas, como titular indiscutível, em equipas do top10 da melhor liga do mundo. Pergunto se é fácil arranjar um central com este perfil e idade no mercado europeu? Se Boly custou o que custou depois de uma boa época no Braga, quanto custaria um Reyes, com 24 anos, depois de duas boas épocas em Espanha? Aqui no Basculação sou o único que ainda acredita no 'moço' mas acho que, pelo menos, merece uma última oportunidade.

Quem nos segue já percebeu que este é outro dos meus protegidos e daí os meus posts menos elogiosos sobre Rui Jorge e a sua teimosia. Na minha modesta opinião, apesar do bom rendimento do Alex Telles, Rafa é o melhor lateral esquerdo do FCPorto. O que melhor cruza o que tem mais qualidade com bola, o melhor em bolas paradas e o melhor para uma equipa que passa 50 a 60 minutos por jogo, no meio campo adversário. Tal como Layun, perde para Alex na intensidade defensiva. Ainda assim é bem melhor que Layun nesse aspecto e bem melhor que qualquer dos laterias esquerdos do nosso campeonato. Para mim, será uma incorporação óbvia no plantel e, eventualmente, um titular.

Terminamos com Ricardo Pereira. Ninguém percebeu porque foi emprestado, muito menos por dois anos. Um completo absurdo. Eu próprio questionei a aquisição de Maxi, não pelo que o uruguaio poderia render, mas porque iria limitar o espaço de crescimento do Ricardo. Como seria de esperar, passados dois anos, Maxi já não consegue manter o seu ritmo e Ricardo Pereira é dos jogadores mais pretendidos do campeonato francês. Polivalente, intenso e capaz de fazer todo o corredor direito, este seria um reforço de peso. Não. Não me enganei no tempo verbal. Admito perfeitamente que já não vamos a tempo de segurar este jogador e que vai ser uma nossas maiores vendas do defeso. Espero que esteja enganado.

Menção honrosa para o já mencionado Hernani e menos honrosa para Ivo Rodrigues, a quem antecipava que esta fosse a sua época de explosão.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Época 2016/17 - As desilusões

Cá estamos mais uma vez. Sérgio Conceição vai ter muito para 'limpar' neste plantel. Poderá começar pelos que tiveram um desempenho mais fraco. Eis os piores da época, mais uma vez, por ordem crescente em termos de classificação:
5º - Boly
4º - Sérgio Oliveira
3º - Depoitres
2º - Herrera
1º - Layun
Poderá parecer duro, colocar nesta lista um jogador que tão pouco pôde demonstrar. De facto, teve poucas oportunidades mas não deixa de ser estranho que tenha tido, visto que foi um jogador caro e que foi contratado para ser titular. Os centrais do FCPorto acabaram com demasiados minutos nas pernas e isto também se deveu ao facto de Boly não ter dado grandes indicações quando jogou e, suponho eu, nos treinos. A excepção terá sido o jogo no Bessa. Pouco para o que se esperava.

Esta terá sido a última oportunidade de Sérgio Oliveira no FCPorto. Relembramos que acabou a temporada anterior a titular. Ora este ano, pouco 'calçou' e nem no Nantes, de Sérgio Conceição, isso mudou.

Tal como Boly, Depoitres foi uma contratação cara, nos últimos dias de mercado e que vinha rotulado como a solução para a dependência de André Silva e até como um bom complemento. Pois a sua utilidade resumiu-se a um golo importante, em casa, contra o Chaves. Muito pouco para tanto dinheiro que custou. É até assustador pensar que se gastou dinheiro num jogador com estas características. Ao contrário de Soares que prometeu ser muito mais do que o que efectivamente é, Depoitres não engana ninguém. É isto. Bizarro é pensar que um jogador com estas características vale este dinheiro e que pode ser útil a uma equipa como o FCPorto.

Vamos ao nosso capitão. É difícil conceber que o rendimento de Herrera não melhore com o passar dos anos. Parece que é um bom rapaz e que cria 'bom balneário'. É também um facto que Herrera é mais criticado do que o que merece. Porque ele não é assim tão nabo como se tende a dizer. O problema de Herrera é que é demasiado inconstante e de rendimento imprevisível. E esta é uma característica que deveria ser mitigada à medida que ganha experiência. Tudo continua igual e não parece que vá mudar.

Layun foi a maior desilusão. Nós aqui, sempre fomos avisando que, apesar dos seu números ofensivos, Layun continuava a ser um defesa e que, como defesa, apresentava muitas limitações. Ainda assim, dado o seu rendimento na época anterior e por ter sido dos nossos melhores jogadores nessa época, exercer a opção de compra pareceu-nos um acto de gestão óbvio. Pois o futebol é assim. Não só não fez uma época com rendimento ofensivo sequer semelhante, como agudizou todos os defeitos defensivos. Todos nos lembramos do terrível jogo que fez com o Rio Ave em que só não foi expulso porque, por uma vez o árbitro se enganou em nosso favor. Grande desilusão!

Menção pouco honrosa para João Carlos Teixeira que não se conseguiu impôr apesar das boas indicações que deu, sempre que jogou.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Época 2016/17 - Os melhores


Numa semana em que começaremos um novo ciclo (mais um...), damos uma 'ajudinha' a Sérgio Conceição e fazemos uma avaliação geral do plantel e do seu desempenho na temporada que agora acabou. Teremos uma por dia. Comecemos pelos destaques pela positiva. Eis os melhores da época por ordem crescente em termos de classificação:
5º - André Silva
4º - Danilo
3º - Casillas
2º - Brahimi
1º - Marcano

Comecemos por André Silva. Pode parecer estranha esta presença no top 5 por ter acabado a época no banco e por ter perdido influência no ataque para Soares. Tudo isto é verdade, mas não convem esquecer o que André Silva fez no início da temporada. Já foi há alguns meses, mas eu lembro-me bem da minha apreensão por ter uma equipa que estava totalmente dependente da inspiração de um puto de 20 anos e como isso era uma prova inequívoca das lacunas do plantel. Marcou 21 golos, 5 dos quais na Champions (mais 6 na seleção) e teve 7 assistências. A produção ofensiva pode ter baixado à medida que a época foi avançando, mas o seu contagiante espírito lutador manteve-se até ao final. Grande época de um grande talento.

Já todos sabem que Danilo não é de todo a minha escolha para a posição 6 no FCPorto. Ruben é melhor em todos os aspectos que lhe são possíveis ser melhor. Não lhe podem pedir que tenha o desempenho físico de um tipo de 1,90 m e 90 kg. Não obstante, Danilo fez a sua melhor época pelo FCPorto. Já sei que o futebol muito conservador de Nuno Espírito Santo o favorecia. Mas Danilo demonstrava muitos problemas de posicionamento, em que evoluiu claramente com Nuno. Tinha também problemas ao nível da aceleração do jogo, mas até nisso evoluiu. Junto com os centrais, foi o jogador que mais beneficiou com Nuno.

Esta deverá ter sido a última época de Casillas no FCPorto. Se tivesse saído no final da época anterior, não deixaria saudades. Agora deixa. Foi de uma regularidade e segurança impressionantes. Numa equipa em que até os jogadores de 27 anos parecem inexperientes e em que o capitão é o Herrera, Casillas e Marcano foram fundamentais na manutenção da equipa na luta até ao final.

Este é o segundo mago argelino que por cá passa e não deverá deixar tantas saudades como Madjer. A falta de títulos também não iria ajudar, mas Brahimi é claramente o jogador que todos procuram quando é preciso fazer alguma coisa impossível. Num esquema de jogo absolutamente castrador do talento individual ofensivo, Brahimi foi um oásis no nosso futebol. E fê-lo mesmo depois de ter sido usado pelo treinador como exemplo, para que pudesse afirmar a sua autoridade perante o grupo. É interessante constatar que estes treinadores fraquinhos nunca escolhem jogadores fracos para exercer a sua autoridade. 

Marcano é a nossa escolha para MVP da temporada do FCPorto. Já o fomos antecipando ao longo da temporada porque era claro que era o elemento que mais se destacava em termos de consistência de rendimento. Felipe pode ser mais vistoso e faz questão de o ser, mas o verdadeiro craque da nossa defesa é mesmo Marcano. Quem diria depois de uma época anterior em que falhou sempre nos momentos decisivos. Teve o equilíbrio perfeito entre impetuosidade e serenidade de acordo com o que a equipa ia precisando. Merecia o título!

Menção honrosa para Oliver. Há sempre Oliver ou Brahimi nos nossos melhores momentos. Por que será?

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Despedida/o



Se há coisa que a equipa demonstrou sempre durante a época foi empenho máximo. Sempre, até hoje. Pareceu-nos que esse era um sintoma de que, apesar de todas as bizarras opções do treinador, pelo menos tirava empenho dos jogadores e estes estavam com ele. Hoje já não estou tão certo disso. Será que o que se viu hoje é fruto da descompressão ou é um sinal de que até os jogadores estão fartos de Nuno Espírito Santo? Só podemos conjecturar... Posso dar apenas a minha opinião. Para mim chega! 

É esta a atura certa para decidir estas coisas. Nos próximos dias há que perceber se é este o rumo que queremos. Se queremos um treinador que nos deu o 'quase' e se acreditamos que ele será capaz de melhor num campeonato menos inquinado. Mas o segredo para a decisão está aqui. Este foi um campeonato inquinado, mas foi também um campeonato em que nenhum dos candidatos ao título jogou um futebol sequer convincente. Importa portanto saber se o treinador fez tudo o que se lhe exige para ser campeão? Tem atenuantes, mas é claro que não! Podemos jogar muito mais. Podia e devia ter tirado mais dos jogadores ofensivos e não apenas dos defensivos. Chegamos ao final da época sem saber como a equipa joga. Lembram-se dos desenhos? Mais concretamente do que Nuno dizia enquanto rabiscava? O FCPorto jogou assim em dois ou três jogos. Ainda ontem estreamos uma táctica ofensiva nova com dois extremos que procuram muito mais o meio do que a linha e com uma troika de médios de transição em vez de médios criativos. Nuno estava com medo do que poderia acontecer com a descompressão... É este o pior defeito de Nuno Espírito Santo. Está sempre mais preocupado com o que mal que nos pode acontecer, do que com o mal que podemos infligir no adversário. Vistas curtas para um treinador do FCPorto.

Quanto ao jogo, foi um desastre. Um zero de ideias e resultado justo. Pior que o resultado foi o facto de, graças ao inexplicável Arouca, nem sequer termos conseguido descer o Tondela. São sempre 6 pontos garantidos para um adversário directo...

Individualmente, não dou MVP porque foi tudo muito mau. Mas há que destacar a tenebrosa exibição de Felipe. Mas os colegas não andaram longe...